BEM VINDOS ÀS ILHAS ENCANTADAS ****** BEM VINDOS ÀS ILHAS ENCANTADAS ****** BEM VINDOS ÀS ILHAS ENCANTADAS ******

quarta-feira, julho 11, 2007

SOLIDÃO ACOMPANHADA


Chegaram em silêncio, olharam um pouco ao redor e escolheram aquela mesa lá bem no cantinho.
O Sol estava tão apetecível como perigoso.
Em silêncio abriram o chapéu-de-sol que os abrigaria e que tornou ainda mais colorida a esplanada.
Em silêncio se sentaram. Ela, em silêncio ficou a observar as pessoas que partilhavam aquele espaço de convívio tão agradável, ali mesmo, perto do mar.
Eu era uma delas. Sou frequentemente atraída para lá.
Por detrás dos óculos escuros, não se percebia para onde ela dirigia o seu olhar, nem tão pouco que expressão transmitia. Mas, reparando melhor, não era assim tão difícil de adivinhar.
Ele, em silêncio abriu o jornal que trazia debaixo do braço e alheio a tudo, iniciou a leitura.
O silêncio foi quebrado pela pergunta do que desejavam tomar, feita pela simpática empregada que, qual formiguinha, ali laborava.
Ele respondeu: “ o mesmo de todos os dias”.
Enquanto a “formiguinha” se afastava, ela sorriu um pouco, mas voltou a refugiar-se, a si e à sua expressão, por detrás dos grandes e modernos óculos que apenas davam brilho àquele rosto devido à enorme e afamada marca que reflectiam.
Os cafés e os bolos chegaram.
Em silêncio os receberam, em silêncio os tomaram e comeram e em silêncio permaneceram até ao fim.
Como pesava a ambos, talvez mais a ela, aquela ausência de palavras!
Como me começou a pesar a mim própria, mera observadora daquele triste quadro de fim-de-semana! Impressionante, impressionante mesmo! E quão triste!
Dois seres humanos unidos certamente no dia a dia, mas tão separados na realidade!
O que comungariam ambos? A vontade de estarem ali juntos? Certamente a vontade de cumprirem um ritual; “o de todos os dias”. A dois, mas cada um por si com os seus silêncios, com os seus interesses, tão sós.
Solidão acompanhada, um peso certamente muito forte.
Em silêncio se levantaram, em silêncio se dirigiram à caixa da esplanada, em silêncio partiram.
Ele com o seu jornal debaixo do braço, ela com os seus óculos de marca a esconderem uma expressão que adivinho triste e acomodada.
Foi mais forte do que eu! Aqui mesmo na esplanada, abri o livro que hoje me acompanha, com quem falo e que fala comigo, retirei dentro dele esta folha de papel e não pude deixar de, bem debaixo do choque provocado, registar um momento tão tocante e quase vulgar na sociedade que nos rodeia.
Solidão acompanhada! Dá que pensar!

9 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Então e o respeito pela privacidade e individualidade de cada um?

Falar tambem pode esconder a solidão. Quem diz que, um lendo e o outro apenas contemplando e ou pensando, não podem estar em harmonia e muito juntos interiormente?
Não nos devemos projectar tanto nos outros, ser tão parciais. Há sempre várias abordagens

12:05 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Sem dúvida, Fátima! Prefiro estar no meu silêncio comigo mesma do que numa de solidão acompanhada! Muito triste e tanto se vê por aí...beijos para ti.

12:47 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É bem triste de facto, mas ao mesmo tempo real!!!
No entanto a solidão a solo é capaz de ser bem pior...
AS

10:19 da tarde  
Blogger Baguigolas said...

É isso, é mesmo isso que me assuta. Ainda que acredite que o primeiro comentador tb possa ter a sua razão, pensando assim, como sabe, assusta.
Bjs

4:51 da tarde  
Blogger José Gomes said...

Oh Fátima, esta solidão deu-me que pensar, muito mais quando ela é acompanhada. Dá muito para pensar e quanto mais me atrevo a pensar mais apertado sinto o coração. Por ti, por mim, por tantos outros que vagueiam por todo o mundo...
Restou-me aquele reflexo lindo nas águas do mar, planadas por um bando de gaivotas...
Um dia de Paz, amiga.
José Gomes

6:31 da tarde  
Blogger Blueshell said...

Um Domingo pleno de Brilho...
BShell

11:43 da manhã  
Blogger dragão yuri said...

Solidão acompanhada!
Orfãos de pais presentes!
"Amigos" de ocasião!

Em que sociedade vivemos?
Onde está a nossa culpa?
Como "tratar" esta doença?

Penso que nem tudo estará perdido,enquanto houver alguém que repare neste estado de coisas.
Façamos o que a cada um compete.

7:57 da tarde  
Blogger Emerson Jr said...

Ser só não é estar só. Posso estar só na multidão ou acompanhado sozinho. Fiz o caminho de Compustela na Espanha e compreendi o que é estar só, mas acompanhado. Por um acaso o meu blog se intitula "Solidão acompanhada". Visite-o e perceba um pouco de tudo.
Um grande abraço sem braço...
Tudo é metáforas

9:46 da tarde  
Blogger 日月神教-向左使 said...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,
情色論壇

6:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home